A sabedoria não racional da mudança

26 de Novembro de 2014

COETERISPARIBUS – A sabedoria não racional da mudança

René Descartes, filósofo, físico e matemático francês, ficou conhecido por ser o fundador da filosofia moderna e “pai da matemática moderna”. Postulou, certa vez, o seguinte pensamento, descrito na sua mais conhecida obra, o “Discurso do Método”:

“Inexiste no mundo coisa mais bem distribuída que o bom senso, visto que cada indivíduo acredita ser tão bem provido dele que mesmo os mais difíceis de satisfazer em qualquer outro aspecto não costumam desejar possuí-lo mais do que já possuem…que o poder de julgar de forma correta e discernir entre o verdadeiro e o falso, que é justamente o que é denominado bom senso ou razão, é igual em todos os homens…” (mais…)

Negociando para convencer

26 de Novembro de 2014

A importância do líder vem sendo diluída ao longo do tempo, através da responsabilidade compartilhada com seus liderados

No corpo humano, o sucesso de cada órgão depende de sua capacidade de “negociar” com os demais, em prol do bom funcionamento do organismo.
De maneira similar, a importância da negociação em todas as situações vem sendo motivo de acaloradas discussões com vistas ao desenvolvimento e crescimento das organizações.
Enquanto, no Século XX, a potência de um país era medida pelo que ele poderia destruir, hoje, a verdadeira força deve ser medida pelo que somos capazes de construir juntos.
O “vencer” dá lugar ao “convencer” ou vencer com, ao mesmo tempo em que a confrontação dá espaço à cooperação, onde somamos esforços, através do compartilhamento das decisões, em busca da multiplicação de valores em comum. (mais…)

Qual é a tua obra?

26 de Novembro de 2014

Segundo o autor do livro de mesmo título do artigo, Mário Sérgio Cortella, “a idéia de trabalho como castigo precisa ser substituída pelo conceito de realizar uma obra… enxergar um significado maior na vida”.

“Se você encontrar algo de que goste muito de fazer, não será capaz de esperar o sol nascer para fazê-lo outra vez”, disse certa vez Gardner.
A busca desse significado nos remete à imprescindível colaboração entre as pessoas, resultado da nova mentalidade corporativa difundida pela “Era da Cooperação”.
É, portanto, entender que a sua vida profissional passa, assim como em uma construção, pelo planejamento do alicerce, fundação e ajustes finos necessários ao bom andamento da “obra” e pela destruição dos feudos organizacionais tão prejudiciais ao bom andamento dos processos diários. (mais…)